Buscar
  • Marilice Zanato

Constelação Familiar – Eu quero minha vida de volta

Atualizado: Abr 13


Este texto faz parte de uma série que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.


Cliente me procura, pois está em processo de psicoterapia e gostaria de ampliar a consciência e a percepção sobre um tema que está trabalhado em conjunto com sua psicóloga.


Algumas vezes, eu tenho que pedir para a pessoa ser objetiva em relação ao tema, e neste caso, foi o que aconteceu, pois a pessoa trouxe mais de três problemas para constelar. Neste caso, pedi para ela elencar o que mais incomodava no momento, e que foi o motivo que fez ela me procurar.


Depois de pensar e falar um pouco, ela escolhe constelar: eu sempre pego os problemas da minha família para mim e acabo absorvendo tudo e não quero mais esse peso, sempre tenho que ser a forte e não posso falar sobre o que penso ou sinto.


Como em todos os atendimentos, faço um desenho da árvore genealógica do cliente, buscando entender um pouquinho sobre essa família.


Observação importante que conduz o processo: Ela vem de uma cultura em que as mulheres tem um lugar e responsabilidades muito bem estabelecidas.


Ela conta diversos aspectos e detalhes importantes e considero ainda não saber exatamente o que esta constelação nos traria de informação.


Depois de ouvir a história toda iniciamos a constelação.


Juntas determinamos de maneira simples / essencial o que são seus principais problemas: Ela diz ser “peso pelas responsabilidades” e “poder falar”.


Ela escolhe um boneco grande para representar ela que olha para fora do sistema, dois bonecos pequenos para representar responsabilidades e outro para representar o falar, que ficam juntos, mas fora do campo visual dela.


Peço para ela me contar o que sente ao tocar em cada um dos bonecos, e a boneca dela está pesada, angustiada e triste, o pequeno fica inquieto, como se estivesse se movimentando em círculos e o outro estava sem sentir nada.


Percebo que um dos bonecos, o que diz respeito a responsabilidade precisava ser colocado deitado, e depois peço para ela me dizer como ele se sente, e ela diz que ele fica melhor, mas ainda sente grande peso.


Peço para ela escolher mais alguns bonecos: A mãe dela, que fica em frente aos bonecos pequenos e o pai que faz o mesmo. Peço para ela escolher um boneco para representa o pai do bebê. (Ela conta que na juventude, acabou engravidando, porém perdeu, pois a gestação não avançou). Ele é colocado do outro lado, de maneira que ela fica em uma ponta, os pais dela e os bonecos pequenos no meio e o esposo na outra ponta.


Peço para ela observar o que está sendo mostrado pela constelação.


Ela diz que nunca pensou no bebê que não nasceu, pois nunca foi autorizada a fazer isso, ela disse que nem viveu o luto da perda do bebê, pois teve que casar as pressas e seguir uma vida que não foi escolhida por ela.


Falamos frases dela para o bebê, que é seu primeiro filho. Pergunto o nome do bebê e ela diz não se lembrar, pois os pais cuidaram de tudo e escolheram o nome e enterraram. (Algo que a constelação mostrou claramente).


Peço para ela dar um lugar para este filho no coração dela e ela se emociona muito e sente-se mais forte e o boneco que representa o bebê parece ficar em paz.


Depois olhamos para a mãe e o pai, e o boneco que representa a fala está em frente a mãe mas olhando para a minha cliente. Peço para minha cliente tomar a fala de volta e dar um lugar para ela. Agradecemos a mãe por cuidar de tudo, mas que agora ela podia cuidar de tudo sozinha.


Honramos e reverenciamos os pais e colocamos eles atrás dela, respeitando a hierarquia. Ela sente-se mais tranquila e forte.


Olhamos para o ex marido e damos um lugar para ele no coração dela. E agrademos a ele pela história que tiveram e os outros dois filhos que vieram alguns anos depois.


Faço mais alguns movimentos e encerramos a constelação.


Obs . Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

Categorias

Tags

Observação:

Todo o conteúdo deste blog é de minha autoria.

Ele tem o objetivo de informação e reflexão e não substitui o processo psicoterapêutico.
 

Caso queira publicar algum texto do blog, peço por gentileza mencionar a autoria e me encaminhar um link para que eu também possa acompanhar a publicação.

Receba as novidades
do blog! 

Obrigado pelo envio!