Buscar
  • Marilice Zanato

Constelação Familiar – Homossexualismo X Autoestima

Atualizado: Abr 13


Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.


Cliente me procura para buscar uma compreensão, através das constelações familiares sobre sua vida, no que diz respeito a homossexualidade, relacionamento com o pai e carreira.


Diz estar encontrando dificuldade para se “achar” na própria vida, e não sabe muito bem o que fazer para buscar novas possibilidades de compreensão.


Peço para ele me contar um pouquinho sobre a sua história pessoal e familiar.


Faço algumas perguntas e chegamos a conclusão que iremos constelar ele e a homossexualidade.


Iniciamos a constelação.


Peço para ele escolher um boneco para representar ele. Ele escolhe um boneco de tamanho pequeno.


Peço para escolher um boneco que represente a homossexualidade. Ele escolhe um boneco de tamanho maior e posiciona exatamente atrás, praticamente grudado no boneco pequeno.


Peço para ele experimentar a sensação colocando a mão sob cada boneco e ele diz que o menor se sente ameaçado e intimidado e o grande demonstra violência e soberania.


Os dois bonecos, mesmo que grudados estão olhando para frente, em outra direção, então faço a inclusão de uma boneca na frente deles. Quando essa boneca entra, o boneco menor, que representa o cliente sente-se um pouco melhor, mas ainda assim existe desconforto. Pela perspectiva do cliente, ele acreditava que a boneca estivesse olhando para ele, mas mostrei melhor e ele percebeu que a boneca olhava para fora do sistema.


Iniciamos os movimentos, de maneira que o boneco pequeno possa falar as frases para o boneco grande.


Ao iniciar o movimento, ele sente-se melhor, mas conectado a boneca.


Com mais algumas frases e movimentos, ele percebe estar ligado a boneca e sentir um misto de afeto e receio.


Posiciono os bonecos diante dele, lado a lado para que possamos falar as frases e dar um novo lugar e sentido ao sistema.


Rapidamente ele percebe que o boneco escolhido para representar o homossexualismo estava diretamente ligado ao pai e a boneca representava a sua mãe.


Trazemos um novo sentido ao lugar dele de filho dentro desse sistema e o quanto ele, sem querer, acabou entrando na relação dos pais como uma maneira de proteger a mãe da hostilidade do pai, porém não se deu conta, que a mãe sabia se defender.


Por amor, ele se incluiu em um lugar que não dizia respeito a ele e não saiu mais, isso poderia estar ocasionando o fato dele sentir-se “perdido” em relação a sua própria vida.


Ele se emociona ao reverenciar o pai e fica um pouco chateado por não ter sentido a mesma emoção ao reverenciar a mãe.


Digo para ele não focar no que ele gostaria que fosse e sim aos fatos, e no final das contas, colocar a mãe nesta constelação foi apenas um experimento, e que a finalidade era a homossexualidade ter um lugar certo na vida e no coração dele.


Ele se emociona e refere sentir-se melhor ao final da constelação.


Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

Categorias

Tags

Observação:

Todo o conteúdo deste blog é de minha autoria.

Ele tem o objetivo de informação e reflexão e não substitui o processo psicoterapêutico.
 

Caso queira publicar algum texto do blog, peço por gentileza mencionar a autoria e me encaminhar um link para que eu também possa acompanhar a publicação.

Receba as novidades
do blog! 

Obrigado pelo envio!