Buscar
  • Marilice Zanato

Constelação Familiar – Meus relacionamentos amorosos nunca vão para frente

Atualizado: Abr 13


Este texto faz parte de uma série que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.


Cliente me procura, pois deseja entender o motivo que leva seus relacionamentos a acabarem do nada.


Ela me conta sua história de relacionamentos amorosos e como eles terminaram.


Peço para me contar a história de seus pais e ela diz que teve sete irmãos, sendo que ela é a quarta filha e que todos os anteriores já faleceram por motivos trágicos e não naturais.


Me conta a história de seus pais e a responsabilidade que ela assumiu ao lado da mãe para ajudar nas atividades do lar, uma vez que o pai trabalhava e também mantinha histórias amorosas paralelas ao casamento.


Sobre seus avós maternos, diz que a avó engravidou, mas o avô não assumiu as responsabilidades desta gestação, pois a família dele interferiu e não deixou eles ficarem juntos. Desta maneira, a mãe dela não conheceu o pai.


Sobre os avós paternos, ela não sabe ao certo esta história, mas acha que a avó abandonou os filhos e o avô faleceu cedo, sendo que os filhos foram criados por uma tia.


Depois de entender a história familiar, iniciamos a constelação.


Peço para ela escolher um boneco para representar ela e um boneco para cada uma das histórias amorosas que ela teve, que totalizaram três rapazes.


Depois de avaliar o posicionamento de cada um dos integrantes, acabo pedindo para ela colocar a mãe, o pai e o avô materno.


E de maneira inconsciente ela coloca todos da mesma maneira que os relacionamentos dela, deixando claro que ela estava no meio de tudo, tentando proteger a mãe do pai que ela não conheceu e supostamente a abandonou.


Buscamos restabelecer a ordem, de maneira que ela devolva para o avô materno a responsabilidade de cuidar da mãe dela, e quando ela faz este movimento, um sentimento de amor invade a constelação, deixando claro que ela sempre quis conhecer e ser acolhida pelo avô materno.


Depois voltamos aos pais dela, deixando claro que o que diz respeito a relação deles é responsabilidade deles e não mais da filha.


Ela diz sentir um grande alívio e como se um peso fosse tirado dela.


Depois, voltamos para cada um dos bonecos que representavam os relacionamentos anteriores e restabelecemos a ordem / equilíbrio entre o dar e o receber. (No caso ser esposa ou namorada e não mais mãe ou cuidadora deles).


Depois, para encerrar a constelação, coloco um boneco que representa relacionamento amoroso, e ela diz sentir um certo receio, mas curiosidade.


Encerramos a constelação.


Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

Categorias

Tags

Observação:

Todo o conteúdo deste blog é de minha autoria.

Ele tem o objetivo de informação e reflexão e não substitui o processo psicoterapêutico.
 

Caso queira publicar algum texto do blog, peço por gentileza mencionar a autoria e me encaminhar um link para que eu também possa acompanhar a publicação.

Receba as novidades
do blog! 

Obrigado pelo envio!