Buscar
  • Marilice Zanato

Constelação Familiar – Relacionamento mãe e filha – Respeitar a hierarquia é fundamental

Atualizado: Abr 14


Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.


Cliente procura constelação familiar para tentar compreender melhor sua historia com a mãe.


Ela refere imensa dificuldade para aceitar e lidar com a mãe, que ela considera controladora e pouco lhe dá espaço para viver de maneira independente e livre.


Peço para cliente me contar sua história familiar.


Depois de obter as informações importantes, iniciamos a constelação familiar.


Peço para cliente escolher um boneco que represente ela e outro boneco para representar a sua mãe.


Ela posiciona os dois bonecos um ao lado do outro, de maneira racional e não intuitiva / sensorial.


Por perceber que a colocação foi racional, incluo um terceiro boneco que a cliente racionalmente refere ser uma pessoa de sua família. Não informo o que era esse outro boneco, porém isso traz incomodo a cliente.


Cliente refere dificuldade para entrar no sistema, não conseguindo compreender ou sentir as forças que a constelação traz a tona.


Dou um pouco mais de tempo para as percepções, mas cliente é uma pessoa racional e estava bastante desconfiada do que poderia acontecer na constelação.


Sugiro sairmos da mesa e fazermos os movimentos com a própria cliente e os recursos de que dispomos na sala.


Ficamos as duas de pé, e peço para cliente fechar os olhos e se concentrar em seu próprio corpo, e deixar todos os problemas ou pensamentos para outro momento.


Posiciono uma almofada em frente a ela e peço que ela se concentre na força que se apresenta naquele momento. Digo para ela seguir o movimento de seu corpo e ela sem hesitar, segue em direção a almofada, pegando ela, e sentando-se com ela no colo.


Depois de um tempo, peço para cliente levantar-se novamente e deixar a almofada no lugar que ela estava. Ela diz sentir desconforto com essa situação.


Iniciamos as frases de maneira a apropriar a cliente de sua responsabilidade e sua vida. Deixando claro que ela é responsável pela vida dela e não pela vida da mãe, pois a constelação deixou claro que a cliente, por amor, queria cuidar da mãe, e sem querer ou perceber, quem estava se sentido sem lugar ou liberdade era a própria mãe.


Coloquei uma nova almofada e pedi para a cliente reverenciar ela, pois tratava-se de sua vida.


Ela abraçou esta almofada e compreendeu que ela tem a vida dela para cuidar e seguir adiante e a mãe dela tem a dela, cada uma cuida da sua como pode. E que ao cuidar de sua vida, ela estará honrando o que sua mãe e seu pai lhe deram de mais precioso. Aceitando e tomando a vida para si ela poderá sentir-se livre e segura para seguir seu destino da maneira que bem quiser.


Neste momento, cliente toma toda a força da constelação para si, apropria-se desse amor e desta grande e forte emoção.


Encerro a constelação.


Obs: Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

Categorias

Tags

Observação:

Todo o conteúdo deste blog é de minha autoria.

Ele tem o objetivo de informação e reflexão e não substitui o processo psicoterapêutico.
 

Caso queira publicar algum texto do blog, peço por gentileza mencionar a autoria e me encaminhar um link para que eu também possa acompanhar a publicação.

Receba as novidades
do blog! 

Obrigado pelo envio!