Buscar
  • Marilice Zanato

Porque o amor acaba?

Atualizado: Abr 13

Quando começamos uma história de amor com alguém, tudo é encantamento e magia.

Dormir, comer, pensar, fazer coisas corriqueira ganham um novo tom e vontade, assim como são permeados a maior parte do tempo pelo pensamento no ser amado.


Quem nunca passou por isso?


E quando esse amor é correspondido, tudo fica perfeito.


As pessoas passam a se conhecer melhor e permitem que a rotina e gostos da pessoa amada sejam incorporados a nossa realidade e fazemos o que é possível. E conheço pessoas que fazem até o impossível para agradar o outro.


Presentes, mensagens carinhosas, mimos, a companhia e o tempo passa a ser único e exclusivo para essa outra pessoa.


As vezes acabamos nos esquecendo de nós mesmos, deixando amigos e familiares de lado.


Mas com o tempo, alguns casais acabam por se perder nessa sincronicidade e as coisas começam a dar errado.


Os defeitos que antes eram relevados ou ignorados, passam a ser figura principal para iniciar uma briga á toa ou até mesmo discussões mais acirradas.


A rotina acaba por engolir o casal, o que antes era apreciado no outro, pode virar até motivo de discórdia entre os dois.


E porque fazemos isso?


Muitas razões podem ser apontadas, mas esse texto pretende falar sobre apenas um desses aspectos:


Tudo o que é novidade tem mais graça na nossa vida.


Algumas pessoas se esquecem que o esforço que fizeram lá no começo para atrair e manter o ser amado ao seu lado deixam de ser aplicados no dia a dia.


Uma ligação de bom dia ou mensagem… Uma pequena lembrança ou bilhete carinhoso… Aqueles passeios que você não gostava de fazer, mas fazia só para agradar lá atrás…


Desculpem a comparação, mas relacionamento é como um carro, precisa de manutenção periódica e sim… em todos os seus componentes!

Se não houver cuidado e atenção, uma hora dá defeito, e o prejuízo para consertar pode ser grande. (Apesar que pensando bem, no carro a gente troca as peças, e nos relacionamentos?)


Dependendo do desgaste, não tem peça nova que faça voltar a funcionar.


Por isso, preste atenção aos pequenos sinais de afastamento, de indiferença, de indecisão e de não querer bem.


Fale isso com o seu par, se não estiver satisfeito, se não estiver feliz, se estiver faltando alguma coisa… porque ninguém é adivinho da mente alheia.


Não está feliz? – Diga! Está faltando alguma coisa? – Diga! Quer algo diferente ou algo a mais… – Diga!


Antes de fazer alguma bobagem, invista na sua relação e se a pessoa realmente for importante para você: Faça valer a pena, como se fosse a primeira vez!

Categorias

Tags

Observação:

Todo o conteúdo deste blog é de minha autoria.

Ele tem o objetivo de informação e reflexão e não substitui o processo psicoterapêutico.
 

Caso queira publicar algum texto do blog, peço por gentileza mencionar a autoria e me encaminhar um link para que eu também possa acompanhar a publicação.

Receba as novidades
do blog! 

Obrigado pelo envio!