Buscar
  • Marilice Zanato

Sobre amor e seus limites

Atualizado: Abr 13

Quando começamos a nos relacionar com outra pessoa, iniciamos estas investidas com atenção, respeito e muita cautela. Às vezes até “fingimos” ser alguém diferente ou mostramos gostar de coisas que realmente não gostamos, só para atrair a pessoa e demonstrar que somos alguém que vale a pena ter por perto. Correto?


Em algumas situações temos receio que a pessoa amada conheça aspectos nossos que não gostamos muito, pois em nossa cabeça achamos que isso possa ser um motivo para ela deixar de ter interesse por nós ou não queria mais investir na relação.


Mas no final das contas, todo começo de relacionamento é muito bom de ser relembrado, pois aquele friozinho na barriga, o coração batendo mais forte, a ansiedade da hora que vamos nos encontrar com ela; a vontade de estar ao lado da pessoa, vale realmente muito a pena.


E com o passar do tempo, começam alguns problemas.


Aquilo que fazíamos questão de esconder ou camuflar no começo já deixa de ser importante e nossas opiniões começam a aparecer como na realidade sempre foram.

As vezes discutimos, falamos o que não devia nunca ser dito e nos machucamos e machucamos a outra pessoa.


Percebo que muitos casais acabam falando abertamente dos defeitos do outro; discutem com tanta agressividade e veemência; se tornam donos da verdade e se esquecem que estão magoando e muitas vezes abrindo feridas que se não forem cuidadas poderão levar a um distanciamento e um abismo ainda maior entre os dois.


O fato de estarem juntos, significa que ambos apreciam a companhia um do outro e querem seguir os caminhos desta vida juntos, como um casal que tem os mesmos objetivos e que acima de tudo se amam, se admiram e devem se respeitar.


Não é porque estão juntos que isso dá o direito de desrespeito, falta de educação, agressividade e tornar a relação um campo de batalha ao invés de ser um lugar em que o outro vai para se sentir bem, querido e confortável.


Pode até virar um jogo de empurra-empurra, onde as discussões buscam culpar o outro por questões que não cabem se discutidas ou ditas.


A maioria das pessoas esquece que relacionamento a dois é algo que deve ser cuidado diariamente, com carinho, com amor, com compreensão e mesmo nos momentos das diferenças, deve existir atenção ao que o outro está comunicando e tentar buscar saídas que sejam interessantes para os dois lados.


O que nós nos esquecemos é que temos que cuidar do outro como gostaríamos de ser cuidados, pois um dia tudo isso pode acabar, e ficaremos nos perguntando: o que foi que aconteceu?


A vida a dois não e nada fácil, pois os pensamentos, famílias de origem, criação, valores, tudo isso pesa na hora de estar juntos e pesa ainda mais quando começamos a nos estranhar no relacionamento.


Mas se essa história é realmente importante para você, se estar ao lado dessa pessoa é importante e vale muito para você, não se esqueça de cuidar, respeitar e amar acima de tudo.

Categorias

Tags

Observação:

Todo o conteúdo deste blog é de minha autoria.

Ele tem o objetivo de informação e reflexão e não substitui o processo psicoterapêutico.
 

Caso queira publicar algum texto do blog, peço por gentileza mencionar a autoria e me encaminhar um link para que eu também possa acompanhar a publicação.

Receba as novidades
do blog! 

Obrigado pelo envio!